Outono


Outono que és meu,
O barco parado
A folha que morreu
Sou eu, és tu delicado
As sombras esvoaçantes
As lágrimas singelas
Da chuva que com ela
Molhas as copas alaranjadas
Das árvores, das mágoas
De tais memórias resguardadas
És fumo e fogo na pintura
Que de laranja e cinza,
É pintada nua e crua.
Fantasias outonais, servem-se frias
A condizer com as noites de vento
Que são a dor, a causa do meu tormento
Morres, vives a candeia das velas
As manhãs gélidas, reacendes as lareiras
E poupas a brisa, atrasas o relógio
Vives uma hora a mais
Nesse teu mar de melancolia
A vida é uma ironia, Outono és
O que entendo por alegria.