Tela


Assimetrias paralelas
Pintadas de fresco
Essas sóbrias telas
Dum coração grotesco

Incandescência obscura
Dessa frígida alma nua
Que arde, a impura
Nessa amarga rua sua

Foge, sem se dar conta
Da vida que vive e mata
A austera tela tonta.