Janelas das nossas ruas

Nas janelas entreabertas

Descubro tamanhas incertezas

Rego as palavras incertas

Com muitas filosofias certas

Encontro-te ao virar da esquina

Rio-me, dispo-me, confio-te

As vidas que já vivi, provo-te

A angustia que me mina

E sorvo obrigados para ti

Numa ânsia simples

De contigo poder conversar

Plantar as amizade puras

Num abrir e fechar

De janelas nas nossas ruas.