Ribeiro

Desaguais nas águas salgadas,

partais das doces,

e deixais pra mim tardes, sublimes alvoradas…

Escoais o pranto verde, da sua água límpida,

por entre os campos do prado esverdeado.

Que rogais ser seus, e vós meus…

Corro ligeiro,

percorro o seu silêncio,

nas tardes de Inverno…

A que chamo de sossego

por você me peno…

ribeiro pleno!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

1

)

  1. Anónimo

    simplesmente genial :)gstava tanto d ser cmo os riosandar livrement, vaguear, sem rumo nem destino, smpre livre, por novos caminhos, novos horizontes…ms n se pode :Seste poema fez m pensar, gstei :)bjinho