Erudito

Não foi de todo,

O jardim de cultura…

ou a sociedade,

a época…

que me enfeitiçaram, agrilhoaram…

Cortaram-me e susteram-me a respiração

para eu me esqueçer do meu nome:João!

Não…

Não vou deixar-me enganar,

pelos risos dos dementes,

que se sentem que mentes,

se tornam compulsivos e repetitivos nas acusações,

as palavras carecem de um sentido figurado…

elas não se queriam ter deslocado para bem perto de mim,

eu reescrevo-as sempre que o tempo me permite…

e, deixo-me voar sobre os verso de um poema,

se o tempo que eu despender a pena valer…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

1

)

  1. Anónimo

    Exactament, aprecio esta tua coragem, esta tua força d vontad, conseguires ignorar d certa forma o q os outros pensam e mostrar cmo és…1 poema deveras profundo…adoro conhecer t assim aos pouquinhos atraves dos teus poemas, das nossas conversas :)es fantastico :)bjinho