As paralelas intermitências da minha vida,
andam soltas, sombrias, desconectadas…
ela sente-se dorida, esta ferida,
que se apresenta roubada.

Curada, sempre gelada…
a amarga memória,
do triste e solitário coração,
que difunde a sublime ilusão,

Do terrível e frívolo…
coração,
da alma inundada de sentimentos vagos…
Cresce e expludo nos contornos de uma vida interrompida,

Desanimada, embriaga, acorrentada, dizimada,

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

1

)

  1. Anónimo

    Q lindo :)ta mesmo sublime, adorei cmpletamente!!!so fiquei triste por saber q te sentes tao melancolico…espero q isso mude ;)bjinho