Outro exaltante

Na insignificância da inocência;

reflicto sobre raras coisas,

que se tornam rebuscadas

na minha mente…

Submeto-me a sentimentos abstractos,

que pra mim são meramente concretos,

que por si só representam um contraste,

de algo que surge e completa a minha abstracção…

Vacilo por entre o vácuo,

dou de caras com o vazio,

tropeço num facto…

e adormeço farto!

Lunático, jovial,

sinto-me atraído,

pelo paranormal…

e imito…idolatrando, um sujeito que não sou eu…

Talvez seja outro…

que precisa de se exaltar,

na alma carente,

do poeta pouco sorridente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

2

)

  1. teresa.

    Exalta-te sempre que necessário! Pensa em tudo o que te vier à cabeça. Disseca cada ideia, cada conceito. Cresce! Evoluí! Mantém sempre a tua mente em ebulição! Um beijinho *

  2. Anónimo

    Acaba de ganhar uma admitadora de seus poemas ^^