liminar

…estou morrendo aos poucos numa zona temporária
intermediada entre uma paisagem de despedida de senha e lenha
…não estou soltando os meus mecanismos flutuantes de marinheiro

ardente liquefeito

numa umbral gelatinosa montanha de desassombro
parcas releituras do mundo cortadas a canivete
voltando a face ao digital interface…

besuntado crente

…tornado corrente de uma jocosa limalha
interrompida entre dois acasos de míngua e língua
…não ando travando as amarras levitantes de franzino

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

0

)