liminar

…estou morrendo aos poucos numa zona temporária
intermediada entre uma paisagem de despedida de senha e lenha
…não estou soltando os meus mecanismos flutuantes de marinheiro

ardente liquefeito

numa umbral gelatinosa montanha de desassombro
parcas releituras do mundo cortadas a canivete
voltando a face ao digital interface…

besuntado crente

…tornado corrente de uma jocosa limalha
interrompida entre dois acasos de míngua e língua
…não ando travando as amarras levitantes de franzino