"e" "mosquito" "r"

para lá da imensidão do templo prematuro

anda um bezugo pernoitando

vinculado a um ardor premonitório

que gira num rubor nefasto

de ninfa de purgatório

ora agora rezo eu

ora agora fedes tu

benevolente a mente

que discas tão discreta

avidamente a tosse

entre “e” “r” o “€”

que me pede

o mosquito que cede

ao teclado antiviral.