Acabrunhado

Querer ser o guarda da velha propaganda
Um pilar de artroses em garraiada
Como quando te baixas e mimetizas
A terrível inconstância vulnerada
Que precipícios te restam agora
A batucada da madrugada
Um poema-ato inviolável
Inquebrável como o degelo do vórtice
Da consciência. Refluxo meridional
De crimes planeados. Indivíduos marcados
Desluzindo clarões de aborrecimento
Embrutecimento. Que aragens nesta vista
Em pura vista que o mal te invista.
De duro acabrunhamento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

0

)