Odor a gasolina
Odor a eucalipto
Uma dor que sucumbe
Na ínfima erosão
de um grito
Fogo que acendes tu
Foge que acendo eu
Dados controlados
Pelo controlo de dados
Que jibóia na placenta
Que alma não rebenta
Que dança nessa valsa
Que tango nessa salsa
Um molho negro
Uma seiva esbranquiçada
Dás-me vasos eu quero plantas
Dou-te versos tu queres mantras.