fantasma na CONCHA

Com clave na mão

Temer ou não, por paninhos quentes

o dom da metástase


em ritos mais que ardentes
exumas a perna a vela

atiras o morto encorpo

travas a tarde no sopro

desfaleces sôfrego

incrustado num casulo

suprimindo teras e megas

de dados imaculados
desfilas na rua

com medo de ser pisado

aniquilas a farsa

de que fazes parte, conservas

enredado, os sucos letais

envoltos na concha

os efeitos especiais.