Estar para lá de fechado
Dentro de mim mesmo
Gotejando lentamente como
um murmúrio de folhagem
divergente. Assentar na nuvem o vértice.
– Desastre natural! Vertendo sobre o sol posto
A luz que oculta a pinha
O voo inanimado do avião, do pavão
Tal e qual a sombra ressentida pela brisa
O que uiva lá onde vá
A quem ascende e não sabe onde está
Não toque nem sobe mais no céu 
por cá ser navalha afiada
da visão do lado do réu.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

0

)