Cai a noite no rio

Subitamente cai a noite no rio,
A paisagem comove-me
Fico espantado pela sua beleza,
Mas amedrontado pela sua escuridão,
Quero ser livre mais uma vez deixar-me de ironias,
E voar com o vento,
Só e triste,
Louco e cinzento,
Melancólico e ardente.
Sabe-se lá quem vai voar primeiro,
Se eu ou o vento.
Queria somentente poder ser livre como um rio,
que vai correndo até ao oceano e depois…
Colide com ele, com ódio ou não!
Estão juntos, unidos até então,
Mas em contrapartida,
Estou só,
E quando vou ao mar choro,
Pois a minha companhia era vento e o rio.