mude de plano

subscreva

mergulhando profundamente a cabeça

nas nuvens

visões paralelas de poeira alagadas no futuro

regando vagabundo o sonho do mundo

uma fusão após a outra

como um ensaio sobre imprevisibilidade

tentar controlar a vaidade do costume

a mudança que mude de postura

atire-se à vida sem medida

o trevo da sorte

o adiar da morte

quem sabe o que virá depois

depois o que virá quem sabe