Como se estivesses subjugado ao teu próprio karma, tivesses que carregar com a cruz até ao fim, sem ressacar, fosses uma tumba exaltada, de uma vindoura sepultura, entre lá e cá, um marasmo existencial, que sucumbe na infinita e dolorosa sílaba de um AI!