POETA E A CIDADE

Infinitamente triste
Tropeçando nos socalcos
Snifando trôpego
O uivar do vento norte
Fui recauchutado
Dor que deveras sinto
Ressonância intermédia
Entre o marasmo
Da sina
E
Essa
Crua
Linha
Fina
Traçando emaranhando
Tudo o quanto me quita
Esta ânsia escrava
De ditar verso a verso
A língua das musas
Frívola venenosa
Angélica escabrosa