POETA E A CIDADE

Infinitamente triste
Tropeçando nos socalcos
Snifando trôpego
O uivar do vento norte
Fui recauchutado
Dor que deveras sinto
Ressonância intermédia
Entre o marasmo
Da sina
E
Essa
Crua
Linha
Fina
Traçando emaranhando
Tudo o quanto me quita
Esta ânsia escrava
De ditar verso a verso
A língua das musas
Frívola venenosa
Angélica escabrosa

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

0

)