DO PARA ESCREVER

As balizas fumegantes da escrita transcorrentes aos adornos do discurso do método iludem os mais benéficos jogadores, os leitores. Escrita não tem remédio, é uma cuspidela adveniente de um gole engolido em seco, do mundo que subjaz e dança uma valsa inebriante nos neurónios lexicais enformes do poeta. Indo vindo pelo limiar intermitente da ganância de contaminar o universo pela chama do complexo. Complexificar implica ainda, transmutar a ideal realidade, numa panóplia de rasgos imateriais que corporizam o ideário mental. As lacunas memorizadas nesse interlúdio fazem da escrita, um ato fraco, porque fluido e agonizante nos trâmites do devir da linguagem. Não se trata de açoitar a linguagem, ou adornar desmesuradamente, finge-se ser um esculpidor, um cuspidor, de versos, de medida e meio-termo, conscientes inválidos seguidores. Articulados numa coerência apoteótica que sucumbe no ato em si. Ou seja, depois de escrever, tudo desvanece nas ínfimas porções dos retalhos, tricotados logo já passados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

1

)

  1. Samira Phoenix

    I don't know what that means but I love your backround !!!!!!Just to let you know! xxhttp://llkillu.blogspot.com