desconstrução

No astuto processo de criação, dou por mim absorto no meu mar de desconstrução.
Desconstruir é ruir com os provérbios retidos nos confins dos advérbios da mente.
Mentir, é sucumbir uma verdade no infinito, e sacudir a fuligem num descampado maldito.
Maldito és tu criatura, que me apaixona, me torna e entorna, numa miragem, num suculento ritual de passagem.
Passas, e não cedes passagem, sou um templo, um cúmulo, és um muro, um túmulo.
Tu bebes as moelas do sagrado eleito, despes-me ao teu proveito.
Aproveitas, que não vejo, e vendas-me o meu desejo.
Desejo ser algo que nunca fui, o que sou me cansa e por agora, me fui…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

0

)