Fluir

Da eloquente paixão
Que flui fruitiva
Entre as florestas densas
Da minha alma
Nas rosas, nos cravos
Que dou, que choras
Dilatei a esperança
De um dia saber onde moras

No suicídio ser a seiva
Que te alimenta nas
horas mortas
O presságio de tocares á minha p
orta
E não te ver lá, se não morta, invisível
Indivisível do meu corpo, do meu Eu
Transcendente, que sucumbe no teu peito doente
No teu corpo moribundo, o desejo
De ser teu defunto.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

2

)

  1. Anónimo

    gostei =)

  2. Unknown

    I am sorry I cannot comment on Portuguese: I can read it but not speak it yet.The poem looks really good: did you write it?Thanks a lot for following my blog.http://davidikus.blogspot.com/