Desejo Carnal

Um poema enclausurado
num diário guardado

Jaz nas profundezas da alma
O poeta e o ervanário

Finda a vida com o nada
Despenca a chuva, a trovoada,

Emerge o fruto amargurado
Pelo mau tempo agoirado

Vinga o pecado carnal
Rompe com a fúria visceral

De um desejo sombrio
esquecido na sombra daquele triste rio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

1

)

  1. Goncho

    I liked this one ^^.