Língua Mãe

Vivo, bebendo a cultura
Encarrego-me disto e daquilo
Até á chegada da sepultura

Enterro-me e descanso
Deixo-me escrito e avanço
Para onde de certo não me canso.

Das palavras doces de Pessoa,
Das amadas descrições de Queirós,
das quais a tinta dos meus versos escoa…

Navego incessantemente na língua
e de preso solto e fluo palavras
doces, salgadas, picantes ou amargas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Comments (

0

)