João Pinho

\ / um caminho de palavras mal-amadas \ /

Automático

Viral hepático, sendo sempre seguido ao segundo seguinte. Uma vista castrada pelos pesadelos obtusos Vacinando o tempo ao meu intentoContinue a ler “Automático”

LADAINHA

repetida repetição repentina   cíclica em ciclos circundantes   estava para lá dos dedos   desmarcado em rodas marcadas  Continue a ler “LADAINHA”

liminar

…estou morrendo aos poucos numa zona temporáriaintermediada entre uma paisagem de despedida de senha e lenha…não estou soltando os meusContinue a ler “liminar”

Um manual de auto-ajuda virtuoso. Não estava todavia retido num sonho líquido. Estava desfasado, despenhado, desempenhado Num contra-senso Virtualmente incorruptível.Continue a ler

Estive suplantado num palanque Atravessado de fio a pavio Pelo descontentamento perene Depois do estouro Rebentado Pelo poema à duraçãoContinue a ler

Rebaixamento agastadoFaz fundir faces em fasesUma mancha redonda de ignorânciaAfastada temporariamentealagada eternamenteEm silêncio, sílabasDe descarrilamentoUrdidas em mantilhasEm media res oContinue a ler

\ / um carrinho de palavras mal-amadas \ /